Sobre as pequenas grandes mudanças

O estalo veio com o vídeo abaixo, mas desse estalo questões e ideias surgiram.

Muitas vezes me perguntei como mudei alguns conceitos, atitudes, opiniões. Como resolvi aqueles percalços que pareciam o fim da trilha. Como a pessoa que hoje aparece no espelho conseguiu superar problemas e tormentos que ainda observo naqueles que me cercam. E não acho o “ponto da virada”. Não consigo exemplificar como resolvi ou porque desencanei de determinadas coisas. Não consigo lembrar do momento que eu disse um basta.

Porque esses momentos não existem na maioria das vezes. Salvo momentos cruciais da minha vida, que ainda posso discutir se houve ou não uma trombeta tocando anunciando a grande transmutação, no geral a vida é feita de pequenas mudanças. Como no vídeo.

Você já fez uma gentileza hoje?

Em tempos de “foco nas metas”, “trabalhar pelos projetos pessoais”, “gerenciamento máximo de tempo”, está cada vez mais difícil olhar para os lados. Quantas e quantas vezes passamos batido de amigos ou conhecidos enquanto caminhamos nas ruas, pegamos um ônibus ou elevador, fazemos compras? Quantas vezes não vemos o que há de novo ao nosso redor? Seguimos, com a cabeça nas “listas de coisas a fazer”, andar apressado pelos ponteiros do relógio, olhar disperso pelo excesso de informações e… coração em stand-by. Como assim? Stand-by? Pois é, deixamos lá o nosso coração parado, desconectado do momento. Fazemos tudo de forma automatizada, no modo “mais eficiente”.

Felizmente, esse órgão que é pura energia se mantém em contínuo estado de alerta. Pronto para se reconectar, para acessar a beleza do mundo e das pessoas ao seu redor. Pronto para se emocionar, se encantar, te encher de leveza e trazer o sorriso ao seu rosto. Basta você dar uma brecha e prestar atenção ao que acontece. Sair da correnteza do momento, do piloto automático, respirar fundo e olhar. Com grandes olhos. Olhos de alma. Sentir as pessoas e o mundo com esse vórtice mágico que se encontra no meio do peito.

Começa agora um novo trecho da jornada…

Querid@ visitante, muito, muito bem vind@!

Traduzir em palavras o que sinto e penso neste momento será o meu grande desafio. Sabe aquela coisa de passar um filme na cabeça em cinco segundos? Pois é…

Ver este sonho se manifestando com certeza foi o momento mais ansiado de 2015. Mais até do que a minha exoneração.

Isso porque neste momento me dou um enorme presente: assumir meus talentos e apresentar ao mundo o que a minha alma realmente quer fazer.