Sentados sobre a luz!

Reza uma antiga lenda que havia um mendigo que todos os dias se sentava sobre a mesma pedra localizada a beira de uma estrada a fim de pedir esmola e praguejar contra sua miséria e sofrimento. Durante anos a cena repetiu-se, assim como as queixas e lamentos, até a morte do mendigo.

Algum tempo depois o dono daquelas terras resolveu construir naquele trecho e teve que retirar a pedra onde o mendigo costumava sentar-se. Eis que tem uma grande surpresa:

Lançar luz sobre a sombra

Quantas vezes a gente olhou para o outro lado quando se deparou com uma sombra nossa?
Como se ignorá-la garantisse seu desaparecimento…

Só que sabemos que não é assim. Aliás, não é assim com nada na vida – problemas, dificuldades, desigualdades, abusos, sonhos, necessidades, urgências.

As sombras, assim como tudo aquilo que mencionei acima, devem ser encaradas de frente, iluminadas, escutadas, compreendidas e, finalmente, levadas à categoria que realmente pertencem: aprendizado.

A felicidade da manifestação – ainda mais de um curso on-line!

O tempo passa, o tempo voa, e já faz quase um ano que pedi exoneração! :O

Pois é…

Foi bom? Sim, foi ótimo! Não me imagino fazendo outra coisa da vida.

Foi fácil? Ah… Aí são outros quinhentos… rsss

Não, não foi fácil, não foi simples e, principalmente, não foi indolor. Até agora este trecho foi bem pedregoso e cheio de paradas.

Resultado? Ótimos! (rsss… vocês devem estar me achando louca! Vai todo mundo prestar concurso público depois deste post.)

Mas é sério. Foi tudo muito bom. Aprendi mais sobre mim, descobri o que eu realmente quero fazer, repensei meu negócio, minha vida, meu relacionamento comigo mesma, minha missão, meus desejos e prazeres, conheci pessoas maravilhosas, fiz ótimos amigos, descobri mais gente para admirar.

Entre pontos e portos

Em alguns momentos da vida, caminhamos entre pontos – pontos-pessoas, pontos-lugares, pontos-ideias, pontos-medos, pontos-lições. Passamos por esses pontos e colhemos o que precisamos (bem ou mal). Mas são passagens, estágios, trechos que ficarão na história. Alguns nós revisitamos algumas vezes – e nesses casos acredito fortemente que é porque ainda temos coisas a colher (bem ou mal). Viram história, lembrança, crença (limitante ou potencializadora), foto ou queixa.

Mas também somos abençoados com portos – portos-pessoas, portos-lugares, portos-ideais, portos-valores, portos-propósitos, portos-experiências. Estes são aqueles que marcam profundamente a nossa jornada, interna ou externamente. A eles voltamos continuamente, em corpo e/ou alma. Para reencontrá-los, chegamos a mudar nossa rota.