Existe “caminho certo”?

De todas as dúvidas que tive (e olha que foram várias) as mais difíceis de sanar eram aquelas que iam de encontro com o “jeito certo” de fazer as coisas. As fórmulas do sucesso, as posturas adequadas, a palavra ideal, o jogo certeiro.

Muitas vezes sentimos que há uma fórmula a seguir, que geralmente envolve uma profissão bem vista, casamento, filhos, boa casa, relações cordatas com todos ao redor, uma passiva aceitação das coisas que “são assim mesmo”, empenho em encenar situações pelo bem social, como festas (de empresa ou de família), sorriso amarelo e concordante com frases e posturas das pessoas ao redor, com as quais muitas vezes não temos a menor sinergia.

Sobre as pequenas grandes mudanças

O estalo veio com o vídeo abaixo, mas desse estalo questões e ideias surgiram.

Muitas vezes me perguntei como mudei alguns conceitos, atitudes, opiniões. Como resolvi aqueles percalços que pareciam o fim da trilha. Como a pessoa que hoje aparece no espelho conseguiu superar problemas e tormentos que ainda observo naqueles que me cercam. E não acho o “ponto da virada”. Não consigo exemplificar como resolvi ou porque desencanei de determinadas coisas. Não consigo lembrar do momento que eu disse um basta.

Porque esses momentos não existem na maioria das vezes. Salvo momentos cruciais da minha vida, que ainda posso discutir se houve ou não uma trombeta tocando anunciando a grande transmutação, no geral a vida é feita de pequenas mudanças. Como no vídeo.

Começa agora um novo trecho da jornada…

Querid@ visitante, muito, muito bem vind@!

Traduzir em palavras o que sinto e penso neste momento será o meu grande desafio. Sabe aquela coisa de passar um filme na cabeça em cinco segundos? Pois é…

Ver este sonho se manifestando com certeza foi o momento mais ansiado de 2015. Mais até do que a minha exoneração.

Isso porque neste momento me dou um enorme presente: assumir meus talentos e apresentar ao mundo o que a minha alma realmente quer fazer.