Por que paramos de surpreender as pessoas?

 

A história (senta…)

 

Era para ser somente mais uma compra de mais um produto. Bem verdade que era um produto produzido através de um crowndfunding e a sua proposta era bem interessante, mas na verdade a expectativa restringia-se a ver como era o produto pessoalmente.

E um belo (e aguardado dia) o carteiro toca a campainha com o pacote. E as surpresas começam:

 

Etiqueta Silvia Strass

 

Eu sei que pode parecer bobagem, mas em um mundo frio e “profissional”, alguém que se preocupa com o carteiro e lhe deseja bom trabalho me impressiona. Ainda mais se esse alguém foi quem “pagou” pelo serviço, pois muitos costumam achar que cumprir a tarefa não é mais que a obrigação do profissional.

Só essa etiqueta já me garantiu um sorriso! Tão bom quando a gente vê a gentileza agindo, não é verdade?

Abrir aquele pacote foi uma aventura! Tá, eu sei que você deve estar me achando exagerada, mas pense bem: quantas vezes você se permitiu curtir muito uma coisa, de uma forma bem infantil – no melhor sentido que essa palavra tem? E sabe qual é a maior mola propulsora da alegria infantil? A expectativa constante da surpresa.

Um belo cartão de agradecimento pelo apoio a um sonho (só quem sonha sabe o esforço que é transformar isso em realidade!) com mais uma das brincadeiras entre palavras e conceito que a produtora faz com maestria.

E a coisa que mais me surpreendeu (a minha criança interna já estava super a flor da pele naquele momento do pacote): uma bexiga com um poema! Achei lindo porque é uma coisa muito simples e com um impacto enorme. Seja pelo apelo lúdico (a minha criança adorou :D), seja pelo apelo poético (ver um poema crescer dez vezes na sua frente na hora que você assopra).

 

Por que paramos de surpreender? - Caminhando em Beleza

 

Ver uma frase quase ilegível transformar-se em um grande “Você é feito para sorrir” fez que o meu sorriso ficasse maior ainda! Um sorriso convocado a ser permanente através da Revolução do Contente, que nos instiga: “Sorrir é um ato revolucionário. A revolução do mundo está no afeto. Comece uma revolução.”

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

O papel de seda que protegia minha compra estava sujeito por uma pequena etiqueta cheia de reflexões: “Para receber, abra(-ce!)”

 

Por que paramos de surpreender? - Caminhando em Beleza

 

Você pode ser como o meu marido e estar se perguntado: “Ok, mas e o produto?” (balde de água fria na hora que eu contava para ele toda empolgada sobre o pacote). E para você, chegou a parte sem fofurices prática do assunto: o produto é demais!


Por que paramos de surpreender? - Caminhando em Beleza

 

Eu comprei a agenda Remo para Rumos (Reorganizar Estratégias, Mudanças e Objetivos para Realizar sem Utopias as Maravilhas dos Sonhos) da Silvia Strass. Um projeto lindo materializado através de financiamento coletivo. A agenda foi pensada para colocar em prática seus sonhos, tendo vários pontos (mensais e semanais) que inspiram reflexões e aprofundamento nas suas vivências e projetos. Saiba mais aqui!

Poster Silvia Strass

Poster Silvia Strass

 

A prática! (rs)

 

A questão é que toda essa historinha aí acima me fez pensar muito sobre a nossa capacidade de surpreender outras pessoas. E, principalmente, porque não a usamos.

Como empreendedora, não posso deixar de pensar no custo da “surpresa” que a Silvia me proporcionou. Na prática, estamos falando de uma bexiga personalizada, duas etiquetas e um papel de seda. Não consigo acreditar que isso tenha um impacto financeiro grande em uma empresa. Por que então a gente não surpreende sempre?

Mas aí vem o componente essencial da surpresa: a vontade de impactar! O real custo dessa surpresa foi o tempo e carinho colocados na hora de se pensar a embalagem. A vontade de gerar um sorriso, de ver um mundo mais leve e satisfeito. É o mesmo esforço que se faz ao querer fazer uma gentileza (já falei sobre isso aqui).

E o retorno não é só um cliente satisfeito, que voltará mais vezes. O retorno é muito maior: é sentir o prazer de se saber capaz de surpreender alguém. É a felicidade de ter causado felicidade. O sorriso resultante do sorriso alheio.

Provavelmente é por isso que vemos tão poucas empresas surpreendendo. Porque isso não está no currículo de ninguém, não se ensina na escola, não tem certificação, não tem mensuração prática. Isso se gera, isso se inspira, é uma vontade que brota.

Uma empresa que faz isso reconhecidamente é a Zappos. No livro “Satisfação Garantida”, seu CEO Tony Hsieh conta como a cultura da empresa, uma cultura muito própria desenvolvida no decorrer dos anos, é fundamental para garantir o clima de motivação e a felicidade dos funcionários, reverberando assim na qualidade do atendimento dos clientes. As diretrizes da cultura da empresa estão compiladas em dez valores fundamentais, sendo o primeiro: Entregue um “UAU” através dos serviços.

Essa cultura do “UAU” permeia todas as relações da Zappos, entre funcionários, fornecedores, clientes, terceiros. Cultua-se a atenção e a surpresa com todas as pessoas. E isso é um trabalho diário da empresa, através de várias ações cotidianas e também do “manual da empresa”, que é editado todos os anos.

Quando falamos em uma empresa, além das muitas variáveis que formam a sua cultura temos também a personalidade individual dos funcionários. Portanto, quanto maior a empresa mais difícil é manifestar a capacidade de surpreender. No entanto, por que isso não ocorre conosco, no nosso dia-a-dia? Por que ficamos no “arroz com feijão”?

Meu filho caçula é especialista em surpresas. Seja escrevendo cartinhas que ele esconde em nossas gavetas, notebooks ou outros lugares inusitados, seja se escondendo atrás da porta para nos dar um susto quando chegamos em casa. Adora criar coisas para presentear e surpreender, como muitas crianças que conheço. E isso me leva a essa reflexão: quando perdemos isso?

Quando perdemos o gosto de encantar o outro, surpreender, fazê-lo sorrir? Sem ser nos dias batidos (aniversário, dia dos namorados, Natal…). Por que não buscamos mais o prazer de ver o outro surpreso e feliz? 

Com um sorriso no rosto por toda essa linda história  da Silvia, convido a todos a surpreender alguém hoje! E amanhã… E durante toda a semana…

Vamos deixar a nossa criança interior fluir e cavar um sorriso daqueles que nos cercam?

;)

 

Revolução do Contente - Silvia Strass

Revolução do Contente – Silvia Strass

 


 

Explore mais esta trilha: