Mundo Interior

A dor é um dos maiores medos da humanidade (provavelmente de todos os seres vivos). Muitas vezes tomamos atitudes (ou deixamos de tomá-las) com medo de sentir dor. Deixamos de tentar, de olhar mais fundo, de reagir, de se impor ou de respeitar a opinião alheia por medo da dor.

Esta semana escrevi um post falando sobre o meu estado de espírito, comentando vagamente que meu fim de semana tinha sido doloroso. Foquei-me em falar sobre a importância de respeitarmos nosso estado de espírito e sermos coerentes com o nosso mundo interno. Mas esse estado de espírito despertou mais reflexões profundas que quero compartilhar aqui.

Então vou começar contextualizando o que aconteceu: no último final de semana tive que sacrificar a minha cachorra de dezessete anos, após um súbito AVC que lhe retirou praticamente todos os movimentos. Foi profundamente doloroso e influenciou minha energia até agora.

Read more

E, de repente, seu planejamento vira confete. Planilhas e cronogramas, tão lindos no papel, não conseguem virar realidade. Em alguma encruzilhada elas se despediram do seu Eu e o descompasso reina. E agora? A resposta do mundo geralmente é: força a barra! Vai aos trancos e barrancos! No pain, no gain! (ai, como eu odeio essa frase)

Mas, antes de ativar o modo Rambo, paro e me pergunto: quem sabe mais sobre mim, as planilhas ou a minha alma? O que as planilhas realmente entendem do fluxo da vida, dos aprendizados do caminho, das dores e lições do mundo?

Read more

O estalo veio com o vídeo abaixo, mas desse estalo questões e ideias surgiram.

Muitas vezes me perguntei como mudei alguns conceitos, atitudes, opiniões. Como resolvi aqueles percalços que pareciam o fim da trilha. Como a pessoa que hoje aparece no espelho conseguiu superar problemas e tormentos que ainda observo naqueles que me cercam. E não acho o “ponto da virada”. Não consigo exemplificar como resolvi ou porque desencanei de determinadas coisas. Não consigo lembrar do momento que eu disse um basta.

Porque esses momentos não existem na maioria das vezes. Salvo momentos cruciais da minha vida, que ainda posso discutir se houve ou não uma trombeta tocando anunciando a grande transmutação, no geral a vida é feita de pequenas mudanças. Como no vídeo.

Read more